Número total de visualizações de página

11 de março de 2014

MB Developments

Quando decidi que estava na altura de avivar o andamento da Handa Nagazoza, comecei à procura pelas "internetes" de informação que me permitisse perceber o que queria fazer e como.
Quase tudo o que encontrei ou eram artigos com uma intenção meramente publicitária a esta ou aquela marca de componentes ou oficinas ou então eram comentários que se percebiam pouco conhecedores, os normalmente chamados palpites, que era a ultima coisa que eu procurava.
Já quase a desistir, dei com um site técnico, de um tal Mark Broadhurst com uma filosofia radicalmente diferente.
Este senhor explicava o que devia ser feito, como e acima de tudo, porquê. Vim a saber mais tarde, através de um apaixonado por estas máquinas cá em Portugal, o Rui Carvalho, que estávamos basicamente a falar do maior preparador de Lambrettas de Inglaterra e também colaborador de vários fornecedores de peças pelo mundo fora, Alemanha incluída.
Explicada desta forma a qualidade da informação, claro que imprimi tudo e devorei cada paragrafo de tão rica informação. Passou a ser a minha leitura de cabeceira e apesar de me ter suscitado mais duvidas do que oferecido respostas, percebi que estava efetivamente a ler as palavras de alguém que sabia.
Tratando-se de alguém residente em Inglaterra, onde a cena scooterista, especialmente no que toca a Lambrettas, está muito desenvolvida e com alguma concorrência, seria de esperar que os textos não dissessem tudo. E não diziam.
Nas entrelinhas lá consegui ler um pouco mais, mas não tudo.
Como não sou mecânico logo não sou concorrência, decidi escrever ao autor explicando-lhe o que me faltava saber e porque queria saber.
A primeira resposta aos meus pedidos não foi satisfatória, mas após algumas insistências, ele lá me foi explicando o que eu pedia.
Coincidências do destino ou o que lhe preferirem chamar, ele tinha uma viagem de mota já pensada e que incluía uma passagem por Portugal.
Resolvi retribuir a gentileza sugerindo-lhe um ou dois trajetos por este nosso fantástico país, sugestões elaboradas pelo organizador do Portugal de Lés a Lés, Ernesto Brochado. Imagina-se assim a excelente qualidade do roteiro.
Incluída estava uma passagem por Lisboa e pelo Porto. E assim foi. Chegaram ontem e partiram há minutos. No entretanto tivemos oportunidade de ir jantar uma bela de um francesinha, claro, sendo que o Luís (Totti no fórum) veio de propósito da Figueira da Foz e o Duarte Marques de Mangualde.
Muita e boa conversa, sobre animais domésticos exóticos, passeios em duas rodas, a cidade do Porto e também sobre Lambrettas, claro, o que já estaria a levar a paciência da namorada dele ao limite.
Já hoje uma passeata de mota pela cidade, à qual compareceram além da minha Heinkel, duas DL conduzidas pelo Duarte Marques e diretamente de Aveiro, pelo Bruno Canha. Pois, tudo participantes do Lés a Lés.
Foram duas horas de um calmo rolar por locais como o Palácio da Bolsa, as Ribeiras do Porto e Gaia, a Afurada, Serra do Pilar, Fontainhas, Estádio do Dragão, Casa da Música, Castelo do Queijo, Barra dos Pilotos, Passeio das Virtudes, Edificio da Relação e Torre dos Clérigos.
Por fim lá os levei até à Auto-Estrada onde seguiram rumo a Bragança com passagem por Braga.
Poucas fotos tirei, mas como do que não há fotos, diz-se que não aconteceu, aqui fica um par.
É difícil tirar os olhos da Heinkel :)

Notam alguma semelhança nos Lambrettistas? Eu noto!

Um agradecimento especial ao Duarte, ao Bruno e ao Luís por comparecerem de longe e com tão pouco tempo de aviso.

8 comentários:

  1. Cool! Ei, queres autocolantes da MB Developments? Desses eu tenho.

    ResponderEliminar
  2. Rui mais uma vez agradeço o teu convite, foi com muito prazer que fui fazer a voltinha pelo Porto, estava mesmo a precisar...
    Um dia fantástico boa companhia e uma rota lindíssima que deu para conhecer mais uns recantos dessa tua cidade.

    ResponderEliminar
  3. Maravilha: mostrar a cidade do Porto e aprender sobre Lambrettas. Por pouco não conseguia juntar-me a vocês.

    ResponderEliminar
  4. Quero claro, Bob :)
    Canha, eu é que agradeço
    Vasco, tu já tens uma Lambretta? :)

    ResponderEliminar
  5. Este fim de semana a Lambretta do Canha passou pelas minhas mãos. Acho que a aquisição de uma Lambretta teria que passar por uma decisão judicial, já que a gestora da minha "fortuna pessoal" não me permite passar cheques destinados à aquisição de mais scooters. E por aqui me fico, porque os três oradores acima correspondem a más influências nesse capítulo !

    Abraços,
    Vasco

    ResponderEliminar
  6. Muito gosto eu de ser má influência :)
    Mas ainda bem que está a demorar trazer-te para este Dark Side das Scooters. É que uma Lambretta é a coisa mais desajeitada e adorável que se pode imaginar e tão cativante que uma vez cá nunca mais queres sair.

    ResponderEliminar
  7. Vasco não precisas de uma processo judicial, basta um simples processo administrativo.
    Ou mehor fazemos uma troca durante um mês eu ando no teu sofá e tu levas o cavalo de pau.

    ResponderEliminar